Vivemos uma das piores crise econômicas de nossa história, um cenário negativo como esse, poderia ser desanimador para o comércio de forma geral.

E-commerce supera as expectativas e cresce em meio a crise

Se comparar os números de anos anteriores, houve uma queda acentuada no poder de compra dos consumidores. E isso, reflete diretamente nas vendas em geral, exceto quando o assunto é e-commerce. Dados divulgados pelo Ebit, revelou que entre os meses de janeiro à junho de 2017, o e-commerce faturou R$21 bilhões. Isso significa um crescimento nominal de 7,5%  nas vendas online em relação ao primeiro semestre de 2016.

Parte do sucesso em vendas online se deve diretamente à crise econômica, isso porque, com a queda do poder aquisitivo, a economia entra em um processo de deflação.

Esse cenário foi constatado em um levantamento realizado através do índice FIPE. Buscapé. Observou que entre julho de 2016 á junho de 2017, uma tendência de deflação de 5,39%, nos valores cobrados pelo comércio eletrônico.

Produtos mais vendidos e procurados durante o primeiro semestre

Relatório da Webshoppers 36 apontou as categorias com maior numero de vendas e procura pelos consumidores. Seguindo tendência de anos anteriores, os smartphones e celulares continuam liderança a preferência do público.

Produtos de eletrodomésticos, eletrônicos, informática e casa e decoração completam a lista dos cinco primeiros. Confira abaixo a relação completa:

 

Categorias

Share Faturamento

1

TELEFONIA / CELULARES

22,3%

2

ELETRODOMÉSTICOS

18,8%

3

ELETRÔNICOS

9,6%

4

INFORMÁTICA

9,2%

5

CASA E DECORAÇÃO

8,3%

6

MODA E ACESSÓRIOS

6,4%

7

SAÚDE COSMÉTICOS E PERFUMARIA

4,8%

8

ESPORTE E LAZER

3,8%

9

ALIMENTOS E BEBIDAS

2,4%

10

ACESSÓRIOS AUTOMOTIVOS

2,3%

Consumidores se planejam para as compras durante a Black Friday

No ultimo dia 21 de agosto, o Google divulgou uma pesquisa sobre a edição de 2017 da Black Friday. “As vendas da edição de 2017 devem aumentar entre 15% e 20% em relação ao ano passado” dados publicados pelo site InfoMoney.

No mesmo levantamento feito pelo Google apontou que 68% dos entrevistados pretendem realizar algum tipo de compra nesse período.

Mas como explicar toda essa expectativa para a Black Friday 2017?

Desde que foi realizada a primeira edição no Brasil, essa data passou a ser uma das com o maior numero de vendas do ano. A cada edição bate recordes de vendas e aumenta a adesão pelos consumidores em busca de promoções e preços baixos prometido no período.

Como estamos vivendo em um cenário de crise econômica, a confiança dos consumidores em gastar o seu dinheiro diminui. Por isso torna mais criterioso na hora das compras. Isso foi percebido nas principais datas de compras do ano como Dia das Mães, Dia dos Pais, e Dia dos Namorados, quando a previsão de vendas não atingiu as expectativas.

Como a Black Friday acontece próxima do final do ano, há uma injeção de dinheiro graças ao 13º salário.
Além disso, há uma mudança no comportamento dos consumidores que passam a planejar com mais antecedências seus gastos.  Com essa mudança, será possível perceber uma maior concentração de compras justamente na Black Friday.