Quem precisa comprar medicamentos regularmente para o tratamento de doenças crônicas, sabe o quanto pesa no orçamento mensal os gastos com medicamentos.

Uma solução para diminuir essas despesas é optar por um medicamento genérico, que tem os mesmos princípios ativos e controle de qualidade de um medicamento de marcas original. Além disso os remédios genéricos podem chegar a custar até 50% mais baratos, que os produtos de referencia.

Preços de Medicamentos Genéricos Baratos

Pesquisa realizada pelo Procon no mês de maio de 2015 no interior do Estado de São Paulo e serve como uma referencia média de preços adotados nas farmácias e drogarias, a diferença média de preços ficou em 51,19% , mas em alguns casos, foram detectadas diferenças de preços de até 363,92 entre uma farmácia e outra.

É muito importante que consumidor adote o habito de pesquisar preços de produtos em mais de um estabelecimento, pois independente do produto ser similar ou não, é possível encontrar grandes diferenças de valores entre uma drogaria e outra.

Sobre a Pesquisa do Procon
Pesquisa realizada pelo Procon na cidade de Presidente Prudente – SP, foram pesquisadas 56 produtos em 10 farmácias e drogarias no mês de maio de 2015.

Medicamentos genéricos trouxeram benefícios a população

Criado no ano de 1999 a lei que autorizava laboratórios a produzir medicamentos genéricos, possibilitou a milhões de brasileiros terem acesso a medicamentos de qualidade e por um preço bem mais em conta, diminuindo e muito as despesas mensais com medicamentos, principalmente para pessoas com doenças crônicas.

No inicio houve certa resistência entre os consumidores na hora de trocar um medicamento de marca conhecida, por um outro genérico, mas com o passar do tempo, a confiança dos brasileiros em relação a esse tipo de produto só vem aumentando.

Vale ressaltar que o medicamento genérico, não é uma simples copia de um produto original.

Para garantir sua procedência, qualidade e os mesmos resultados que um medicamento de “marca” os genéricos só podem ser registrados na ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária) e liberados para a venda, após passar por todos os testes.

Esses testes têm como objetivo, garantir que os genéricos serão absorvidos na mesma concentração e velocidade que os correspondentes medicamentos de referência ou inovadores. Além disso, sua composição precisa ser idêntica ao do medicamento de origem.